Hipster, ser ou não ser? Eis a questão.

Galera linda e ousada, como estão vocês ??

No post de hoje resolvi fazer algo diferente e comentar um pouco sobre  essa nova expressão que está na boca do povo: O Hipster. Se não ouviu esse termo ainda, com certeza vai ouvir ou se deparar com alguém que que se auto intitule um.

E se você está se perguntando o que raios é um Hipster, aqui vão alguns conceitos que os define:

Hipsters são os amigos que zombam de você quando você começa a gostar de Coldplay. Eles são as pessoas que vestem camisetas de tela de seda com citações de filmes dos quais você nunca ouviu falar e são os únicos na América que ainda acham que Pabst Blue Ribbon é uma boa cerveja. Eles usam chapéus de cowboys e boinas e acham que Kanye West roubou seus óculos de sol. Tudo a respeito deles é construído exatamente de forma a fazer parecer que eles simplesmente não se importam (Time, julho de 2009)

O Manual do Hipster descreve-os como pessoas jovens com “cortes de cabelo mop-top, carregando carteiras retrô, falando em seus celulares, fumando cigarros europeus, desfilando em sapatos de plataforma e com uma biografia de Che Guevara saindo de suas bolsas”

Básicamente, um Hipster é alguém que despreza todas as tendências promovidas pela mídia, aderindo ao um estilo alternativo. Eles não seguem a moda, veem filmes independentes e escutam bandas indie como se não houvesse amanhã. Você nunca vai ver um Hipster cantando um Hit do momento, provavelmente se você comentar com ele sobre isso irá ouvir um grande e cansativo discurso de como a mídia manipula, promove modinhas triviais e blablablá

Não, eu não tenho nenhum desprezo pelo mundo Hipster. Tudo bem, gostar de bandas alternativas, sair um pouco fora do sistema e outras coisas que a galera faça para se sentir revolucionário, eu também já fiz/faço isso. Mas ultimamente essa movimento tomou uma forma completamente diferente a sua proposta inicial e perdeu totalmente o significado.

Por exemplo: Hipsters, indignados com as modinhas da sociedade, começam a pagar de cult e mostrar toda a sua indgnação perante a sociedade consumista. Outra galera que não entende nada do assunto, começa a achar isso “maneiro” e decide aderir fazendo com que, pouco a pouco, o que era para ser alternativo, tornou-se mais uma moda sem sentido.

No mínimo controverso, para não dizer hipócrita.

Tudo bem que tem modinhas que irritam e não tem nada a ver (Harlem Shake, estou falando com você), mas por favor, parece que de uns tempos para cá todo mundo resolveu odiar o natal, o BBB,o mundo, a vida e todo o universo só porque alguém disse que não gostava.

Minhas opinião sobre isso: Galera, vamos com calma !!!

Se você quer odiar o BBB,o universo a vida e tudo mais, odeie, mas porque VOCÊ  realmente  odeia e não porque algum dia alguém disse que o mundo deveria detestar e você foi lá e começou a odiar de graça.

Eu não gosto de Big Brother, já assisti muito mas perdeu a graça para mim, se isso me faz uma pessoa melhor e mais evoluída?Não! Me torna apenas uma pessoa que não gosta de dar uma espiadinha. Simples assim.

Outra coisa que você percebe muito, principalmente  quando  tem um fandom é o eterno desprezo que as fangirls sentem pelas posers.

Tenho uma opinião dúbia sobre esse assunto porque acredito que o motivo desse movimento anti-qualquer-pessoas-que-não-conheça-a -cor-das-cuecas-que-o-idolo-usa, seja porque o verdadeiro significado desse termo se perdeu.

Para quem desconhece, esse é o significado do termo:

“Poser é um termo pejorativo, usado para descrever “uma pessoa que finge ser algo que ela não é”, copiando vestimentas, vocabulário e/ou maneirismos de um grupo ou subcultura, geralmente para conseguir aceitação dentro de um grupo ou por popularidade em meio a vários outros grupos, mas que não compartilha ou não entende os valores ou a filosofia da subcultura.”Os chamados “posers” costumam passar a (ou fingir) gostar de certos artistas, bandas ou gêneros musicais, no momento em que estes passam a ser popularmente conhecidos e esquecê-los quando estes deixam de se-lo.

Devido ao valor da expressão, as pessoas acabam confundindo poser autênticos com iniciantes e colocando todo mundo no mesmo saco, só que não é bem assim.

Existem as pessoas, que dizem gostar de certas bandas porque ficaram famosas no mercado ou dizem amar determinado cantor ou livro só porque começou a fazer sucesso,só que assim que você começa a conversar sobre o assunto percebe que ela não conhece nada sobre e continua afirmando que ama incondicionalmente. Isso, amigos, é um poser.

Existem também, as pessoas que simplesmente começaram a gostar de determinado assunto porque descobriram ele recentemente. Elas não  ficam se auto denominando os últimos fãs absolutos do universo mas realmente admiram o músico, autor, pintor e embora ainda não o conheçam o assunto mais profundamente, buscam por informações sobre eles e procuram se interessar por assuntos relacionados a esse universo que começaram a gostar. Há também quem escuta determinadas bandas e lê determinados livros mas  gosta de  não se considera fã ou nada do tipo.

Eu por exemplo, adoro as músicas do Arctic Monkeys  mas se perguntarem, não sei nem a terça parte de informações sobre eles comparado ao que sei sobre Mcfly, Beatles ou K-pop. Não saber a marca do barbeador que o Alex usa ou se ele dorme de meias não me faz ser poser e não impede de continuar gostando e admirando o trabalho deles.

Afinal, ninguém é obrigado a saber de tudo.

O que quero dizer com essa blablázice toda é:Não importa se for uma modinha que milhões de pessoas gostam ou algo que só 4 pessoas gostam. Se for o livro mais comentado, a música mais ouvida ou menos ouvida.Tanto faz! Gostem das coisas porque vocês gostam, porque faz bem para a vida de vocês e não porque está na moda ou alguém disse que deveriam gostar o desgostar.

Postar foto no Instagram  tirada pelo seu Iphone, com a legenda de uma música de uma banda indie desconhecida, vestido igual a um mendigo só para demonstrar o seu  desprezo eterno sobre a moda  e o consumismo da sociedade. Faz você parecer rídiculo e não legal.

A moda muda toda hora, vem, passa e daqui a pouco Hipster mesmo é quem não é, então todo esse texto virou hipocrisia.

E vocês? Qual é a opinião sobre esse assunto? Gostaram? Detestaram? Me acharam uma Hipster enrustida? Comentem.

Imagens: Página do Facebook, Hipster da Depressão.

Fontes: Blog Big Chrunch (visitem, é muito bom) : http://milleonaria.wordpress.com/ , Wikipédia;

Beijos da Garota da Vitrine.

Anúncios

2 comentários sobre “Hipster, ser ou não ser? Eis a questão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s