Oscar: O que eu vi e quais meus favoritos.

Oi, oi gente! Como vão vocês?

Desculpa a falta de posts esses dias mas, carnaval + começo das aulas + maratona do Oscar, consumiram todo o meu tempo e mesmo assim, ainda não consegui por todos os filmes em dias. Então, está é um pequeno resumo dos que vi e quais são as minhas apostas para a premiação de amanhã.

Melhor Filme

O Grande Hotel Budapeste:

large (63)

Esse filme foi uma surpresa tremenda e extremamente prazerosa para mim, pois de todos os indicados a esta categoria este era o único que me deixava totalmente no escuro sobre o que esperar já que meus conhecimentos e familiaridade com os trabalhos do Wes Anderson começavam, terminavam e se resumiam a apenas ter assistido a algumas cenas de Moorise Kingdom, que até hoje, vergonhosamente, não assisti completo. Como um bônus, para aumentar o meu receio quanto a este filme, também havia muitas amigas que já acompanhavam bastante o trabalho do diretor e diziam não estarem muito empolgadas com ele por inúmeros motivos. Porém, apesar de tudo, minha curiosidade foi maior e finalmente decidi assisti ao dito cujo e após o término, quando os créditos rolaram na tela,  só conseguia pensar uma coisa: “Que filme lindo! Preciso ver novamente.”

O Grande Hotel Budapeste, é uma obra prima e um deleite para os olhos. Através da fotografia simétrica, da paleta de cores fortes, roteiro leve e estrutura minimalista do cenário, Wes Anderson, transborda o telespectador para uma dimensão totalmente nova e fantástica que nos faz sonhar e encantar com tamanho zelo e preocupação investidos em cada cena e detalhe dos 100 minutos de filme. Com toda certeza, esse é um dos meus filmes favoritos a categoria e espero realmente que ganhe ( embora seja díficil prever as escolhas da academia) a categoria principal.

Grande Hotel Budapeste é o filme mais indicado e  também concorre as categorias de:

Melhor Diretor – Wes Anderson

Melhor Roteiro Original

Melhor Fotografia

Melhor Edição

Melhor Trilha Sonora Original 

Melhor Figurino 

Melhor Maquiagem 

Melhor Design de Produção 

Ele também foi o vencedor da noite no BAFTA ( Oscar Britânico) levando o total 5 troféus (categorias vencedoras estarão em negrito na lista acima) 

O Jogo da Imitação:

O Jogo da Imitação é meu segundo favorito e embora seja na categoria de melhor ator que eu esteja torcendo mais por ele, afinal, não se pode ser imparcial quando seu ator favorito está concorrendo ao seu primeiro Oscar, não há como negar a qualidade do longa. O filme que tem seu roteiro adaptado de um livro homônimo, conta a história biográfica de Alan Turing, um matemático, lógico, criptoanalista e cientista da computação britânico que durante a guerra trabalhou em um centro de inteligência especializado em quebra de códigos alemães decifrando a Máquina Enigma.Turing era homosexual ( o que era considerado ilegal no Reino Unido) e foi condenado a uma dura pena aplicada na década após a guerra (52) que consistia em injeções de hormônios femininos e que prometia “regular” a sexualidade, a cura gay vintage. Ele morreu em 54, pouco tempo depois de terminado o tratamentos, acredita-se que cometeu suicídio. A maior parte da vida de Turing havia permanecido em segredo a até pouco tempo atrás, devido as atividades que exercia no serviço secreto

Tecnicamente, até onde meus conhecimentos me permitem julgar, o filme é bem feito: o roteiro foi bem dinâmico e as atuações foram notáveis, principalmente no que diz respeito a Benedict. Porém, ele parece oscilar em vários temas, ora focando na infância do personagem, ora em seu papel durante a guerra, ora na homossexualidade e mas nenhum desses temas fica bem desenvolvido como um todo, fazendo parecer mais como partes fragmentadas do que conectadas a narrativa. De resto, foi um filme muito bom, não teve nada de inovador no sentido de direção, a meu ver, e seguiu um modelo tradicional que agradou a todos, principalmente a academia. Os pontos fortes ficam a cargo da atuação e do conteúdo histórico e da ação inteligente do filme que possuí algumas reviravoltas muito boas.

O Jogo da Imitação também concorre as categorias de:

Melhor Direção – Morten Tyldum

Melhor Ator ( Benedict Cumberbatch)

Melhor Atriz Coadjuvante ( Keira Knightley)

Melhor Roteiro Adaptado

Melhor Trilha Sonora Original

Melhor Design de Produção

A Teoria de Tudo: 

Sou muito fã do Stephen Hwaking por seus trabalhos e principalmente pela história de vida e quando soube que sua biografia seria adaptada para cinema fui a loucura. Fui as lágrimas assistindo ao trailer e mal podia esperar pelo filme, que de certa forma supriu minhas expectativas.

A Teoria de tudo conta com uma adaptação muito bem feita, com uma direção muito boa e cenas simples e carregadas de emoção, além de atuações que foram brilhantes e captaram de forma romântica toda a veracidade dos personagens. Teoria é um filme que pende mais para o lado romântico e sensível ao invés de se enveredar pelo lado mais cru e dramático, assim, cria uma atmosfera leve e delicada mostrando de maneira lenta mas emocionante a transição dos personagens e a evolução da doença e Hwaking e seu desenvolvimento de superação e como físico.

Eu amei o filme, não chorei como no trailer, porque sempre acho os trailers mais emocionantes, mas é belíssimo.

Whiplash – Em busca da perfeição 

Embora não seja uma dos meus mais que favoritos não tem como não falar de whiplash e de seu potencial como ganhador do Oscar. Mais do que no roteiro, ele se destaca por suas atuações que beiram o  impecável e os ângulos e closes das câmeras, que ajudam a dramatizar e aumentar a tensão das cenas. Um dos melhores exemplos da competência do diretor e de seus acertos escolhendo os ângulos certos para cada momento se reflete na cena do solo de bateria, cena está, tão claustrofobia quanto maravilhosa. Quanto as atuações, J.K Simons está nada menos que brilhante ao interpretar o execrável professor de música que utilizada métodos nada ortodoxos e leve seus alunos ao limite físico e psicológico. Milles Teller, também se redimiu comigo, porque só assisti filmes horríveis com ele e esperava menos do que nada como protagonista de Whiplash, porém, o menino soube mergulhar no personagem e mostrou que não está nas telonas a passeio, ponto pra ele.

Whiplash também concorre as categorias de:

Melhor ator coadjuvante ( J.K Simons) 

Melhor Roteiro Adaptado

Melhor Mixagem de Som 

Melhor Edição 

Whiplash faturou dois BAFTAS ( as categorias vencedoras estão em negrito na lista acima) 

Melhor Animação:

O Conto da Princesa Kaguya

Estúdios Ghibli chegam encantando novamente com uma animação totalmente maravilhosa e todos os elogios que possa receber. A história é linda a técnica usada na animação é fantástica e combina perfeitamente com o clima mágico do filme que trás todo o encanto que a cultura japonesa pode oferecer. O Conto da Princesa Kaguya tem seu roteiro adaptado do famoso folclore O Cortador de Bambu, nele Kaguya era um minúsculo bebê quando foi encontrada dentro de um tronco de bambu brilhante. Passado o tempo, ela se transforma em uma bela jovem que passa a ser cobiçada por 5 nobres, dentre eles, o próprio Imperador. Mas nenhum deles é o que ela realmente quer. A moça envia seus pretendentes em tarefas aparentemente impossíveis para tentar evitar o casamento com um estranho que não ama. Mas precisa enfrentas as consequências de suas escolhas.

O filme, como já mencionei, é lindo, como uma poesia triste,e Isao Takahata mostra todo o seu cuidado com essa animação na qual  usa uma técnica belíssima deixando o filme com um efeito de lápis e aquarela, que não é a marca tradicional da Ghibli, mas é tão linda quanto.

Embora a minha torcida seja para Como Treinar Seu Dragão 2, seria mais do que merecido se Kaguya levasse o Oscar.

Melhores Efeitos Visuais:

Interestelar

Quem diria que um filme de ficção cientifica, que de longe não é meu estilo favorito, pudesse me fazer chorar tanto como Interestelar fez. O Filme aborta o tema de esgotamento de recursos naturais do nosso planeta,viagens espaciais, família e tempo de uma forma poética e bem pesada. Os efeitos visuais do filme são de encher os olhos, melhor do que isso só se tivesse sido filmado no espaço de verdade, e possuí um roteiro muito bem amarrado. No quesito atuações ele conta com nomes bem renomados como Matthew McConaughey, vencedor do oscar de melhor ator do ano passado por Clube de Compras Dallas, Anne Hathaway, vencedora do oscar de melhor atriz coadjuvante por Os Miseráveis e a duas vezes nomeada Jessica Chastain, entre muitos outros. Apenas de alguns momentos cliches na trama, principalmente o final, o filme mantem o padrão alto durante praticamente todo o seu andamento e faz emocionar ao mesmo tempo que deixa questões a serem refletidas.

Além desse, também torço muito por Guardiões da Galáxia, que deveria ter ganhado não só uma indicação de melhor maquiagem, como melhor filme também.

Interestelar concorre também a

Melhor Design de Produção

Melhor Mixagem de Som

Melhor Edição de Som

Melhor Trilha Sonora Original.

Interestelar faturou o Bafta de melhores efeitos especiais

Canais favoritos do You Tube.

Oi pessoal, como estão vocês?

O You Tube é um dos meus sites favoritos e ele é um dos primeiros sites que acesso quando ligo o computador ( logo depois do twitter) para ver se os meus canais favoritos postaram videos novos. Então, hoje decidi dedicar um pouco do meu tempo para  fazer uma listinha falando sobre alguns dos meus canais favoritos do You Tube. Espero que gostem.

Canais literários:

Sem dúvida os canais literários são a grande maioria das minhas inscrições  e utilizo eles para descobrir novas leituras e também para ver a opinião das pessoas sobre livros que  li. Gosto deles porque sempre encontro uma ou outra dica ou opinião legal sobre algo do livro que não percebi ou que interpretei de outro jeito. Acho essa uma troca legal, principalmente para quem não tem alguém próximo com quem trocar ideias sobre a atual leitura.

Entre meus canais favoritos estão:

Vevesvaladare: Link

A veves já apareceu aqui várias vezes é uma das minhas principais referências quando o assunto é literatura. O canal dela é mais voltado para livros clássicos e tem um jeito muito divertido e cheio de referências de fazer resenha então não tem como não ficar empolgada para ler os livros que ela recomenda. Ela também tem uma paixão doida por animações com a qual eu totalmente me identifico porque sou doida por elas também e acabo até ficando meio nostálgica quando ela começa a falar da Disney hahahha ( fazer o quê?).

tatianafeltrin ( Tiny Little Things): Link

Minha relação com a Tati é meio de amor e nem tanto amor assim. Ela é uma das pioneiras dos canais literários e é bastante conhecida entre os vlogueiros. A leitura dela é bem diversificada e vai de clássicos até YA o que agrada tanto a gregos quanto troianos.Ela também  é bastante simpática e possui opiniões bem formadas sobre os livros que lê, além de fazer ótimos especias como o de Halloween, intitulado  Mês do Horror, em que dedica 100% do canal a gravar videos dando indicações de livros com temática de medo e suspense ( meus favoritos). O meu problema com a Tati é de opinião estritamente pessoal, pois mesmo lendo vários livros que ela indica, raramente eu concordo com a opinião dela.   Ainda sim, recomendo muito o canal porque ela faz uma trabalho excelente na internet.

Canais Literários Gringos:

Além dos nacionais eu também sou muito fã dos canais gringos porque eles tem dicas ótimas de leituras bem diferentes.Entre eles, dois canais são destaques do meu coração porque as blogueiras são muito fofas.

PeruseProject: Link

A Regan é sem dúvidas a minha favorita! Além de ser linda e super engraçada ela tem dicas ótimas e é uma leitura mais do que voraz,  chegando a ler mais de 200 por ano. O estilo de leitura favorito dela são os romances históricos e ela sempre trás indicações super válidas de séries gringas que são bem inéditas para o público brasileiro. Outro ponto ótimo é que a pronuncia dela é muito boa e clara tornando fácil, principalmente, para quem quiser treinar o inglês de uma maneira divertida.

Jellafy: Link

Outro canal que eu adoro e tem uma booktuber super simpática e fofa. A Jenny é chinesa-americana ( eu acho) e é super querida e tem um gosto bem diversificado no quesito YA. Ela tem uns videos bem ao estilo clube do livro onde ela fala das opiniões sobre as recentes leituras enquanto toma chá ou come, o que é bem legal porque deixa você super confortável e tem uma certa vibe aconchegante.

Variados:

Letras de Batom: Link

O canal da Babs está no meu super top favoritos. Ela tem 21 anos  é estudante de Artes e  tem um estilo super diferente tanto para se vestir quanto para música, filmes e literatura. Me identifico muito com ela e adoro as dicas que ela dá através de vídeos super descontraídos e engraçados. E ela é super simpática e…enfim, adoro o canal dela.

Omeletv: Link

Muitos de vocês devem conhecer o canal do Omeletv e ele é um canal voltado para a cultura pop ou como é dito popularmente ” canal para nerds”. Eu gosto de bastante de acompanhar porque ele tem um material muito bom tanto para quem já conhece bastante desse mundo dos quadrinhos e filmes, como para quem está começando a acompanhar esse universo lindo <3. Embora tenha muita gente que critique o trabalho deles eu acho que é  bastante diversificado e completo. Um dos meus favoritos é o Bloco X, mesmo que eu não acompanhe tão assiduamente em vista de antes, depois da saída da Miriam que era a minha favorita. Afinal, ela era otaka e tinha gostos super parecidos com os meus.  Tem uma galera que tem um hate muito forte com as meninas mas acho super legal essa representação feminina no mundo nerd.

Variedades Gringos:

RyanHiga: Link

O canal do Ryan deveria vir com um aviso: Cuidado! Alto nível de zoeira. Além de fazer altas paródias super produzidas de trailers e filmes famosos, ele também compõe músicas hilárias mas super grudentas que não perdem nada para os super hits ( eu tenho quase todas no meu celular). Único problema é que ele fala incrivelmente rápido e tem uma mania de fazer trocadilhos então é um pouco difícil de acompanhar se seu inglês não está tão bom, mas vale a tentativa.

TheFineBros: Link

O canal do FineBros é dedicado a reactions. Eles escolhem videos e músicas que são virais na internet e fazem reactions sobre eles. Tem tipo Crianças reagindo a músicas dos anos 50, adolescentes reagindo a trailers de filmes, you tubers reagindo a K-pop ou comerciais japoneses ( meu favorito) e idosos reagindo a videos como Anaconda da Nick ou jogos de ação. É sensacional e muito divertido de assistir.

Por enquanto era isso pessoal. Espero que tenham gostado! Já conheciam os canais? O que acharam? Comentem, adoraria saber!

Um beijo da Garota da Vitrine.

Dois suspenses japoneses que você precisa ver.

Oi, gente. Tudo bem com vocês?

Desculpa ter ficado esse tempão sem atualizar. É que essa semana era época de resultado do Enem + listão da faculdade e minha cabeça estava a mil, mal consegui dormir ou comer direito desenvolvi  uma gastrite nervosa do inferno, por conta do stress. Mas finalmente terminou, e embora tenha ido bem no Enem, não foi dessa vez que acabei passando no curso que queria…mas, bola para frente, tem outros vestibulares.

Mas como boa Pollyanna que sou, sei que  não há nada melhor do que assistir a um bom filme para espantar a tristeza e passar o tempo ( afinal, ainda estamos de férias). Então trago aqui dois filmes incríveis, lá da Terra-do-Sol-Nascente, que você precisa ver!! Já fiz um post semelhante a um tempo atrás dando dicas de filmes asiáticos que merecem a atenção. Porém, como recentemente assisti a um suspense sensacional que fez minha lista de favoritos ter um upgrade, resolvi fazer esse post contando sobre dois dos meus filmes japas mais do que favoritos.

Confissões:

Sinopse: No último dia de aula em uma escola, a professora se despede dos alunos e diz que não mais voltará a lecionar. Ela ainda faz uma afirmação: sua filha de apenas quatro anos de idade, que supostamente morreu afogada na piscina da própria escola, na verdade foi assassinada por dois estudantes daquela classe. Antes mesmo de alguém se pronunciar, sem meias-palavras a professora anuncia que está prestes a se vingar. O que se vê é a transformação de uma pessoa calma e passiva numa mulher de sangue-frio.

Se tem um gênero que me fascina é o do terror psicológico e esse é um dos melhores exemplos deles. Contado através da alternância de pontos de vista dos envolvidos no acontecimento central da história, Confissões, trás uma das melhores histórias de vingança com jeitinho japonês que os  asiáticos sabem fazer. A partir do momento em que  professora decide arquitetar seu plano contra os alunos, uma série de reviravoltas acontecem fazendo o filme tomar rumos completamente diferentes dependendo do ponto de vista de quem está sendo contada a história. Cada relato é surpreendente e a medida que o filme avança é praticamente impossível não ficar de queixo caído com o rumo que as coisas tomam. E o final é surpreendente e bem inesperado. Além do roteiro em si, o filme trás excelentes atuações, uma fotografia deslumbrante e que uma trilha sonora sensacional, misturando músicas ocidentais e orientais, e que casam bem com as cenas do filme. Mais do que recomendado esse filme.

The Snow White Murder Case: 

Sinopse: O repórter de TV Yuji Akahoshi (Gō Ayano) cobre o caso do assassinato da jovem Noriko Miki (Nanao); sua investigação, divulgada exaustivamente para seus seguidores através da rede social Twitter, aponta Miki Shirono (Mao Inoue) como a provável autora do crime, o que acaba colocando toda a mídia e a Internet contra a garota. A situação vai ficando cada vez mais complicada à medida que as investigações continuam e se percebe que não há como saber quem está falando a verdade e quem está mentindo. Desse modo, um detalhe pode acabar mudando todo o rumo da história.

Outro sensacional que também é contado através de pontos de vista ( já notaram que é meu estilo favorito de narrativa?) só que de maneira diferente da que acontece em Confissões. Nesse filme,  ao invés de termos capítulos para cada personagem, temos depoimentos, pois, quando o assassinato acontece um programa de tv, desses estilo investigativo, vai atrás dos envolvidos com a vítima e cada um conta a sua versão da história e baseado nisso o público ( do programa e o telespectador) também forma sua opinião. Só que muitos contam meias verdades outros inventa partes que os favoreçam e nada realmente é o que parece. Deixando que o mistério seja resolvido apenas nos momentos finais do filme. E nisso Snow white murder tem uma vantagem pois é exatamente assim que acontece na vida real. E mostra como a mídia pode ser manipuladora  e como nós ( publico geral) temos apenas acesso a uma pequena parte de 90% das informações que recebemos diariamente, nunca sabemos verdadeiramente qual a história completa, e como muitas vezes tiramos conclusões errôneas baseados nisso. Recomendo muito também. Era isso pessoal. Espero que tenham gostado e se assistirem aos filmes não esqueçam de deixar um comentário falando o que acharam. Beijos da Garota da Vitrine.

Livros favoritos de 2014

Olá,pessoal! Tudo bem com vocês?

Primeiramente: quero começar desejando um ótimo começo de ano a todos e que 2015 seja cheio de sonhos realizados e objetivos conquistados na vida de vocês!

“Segundamente”: sabe qual é a parte ruim de ter dias da semana certo para sair post no blog? É que em alguns desses dias você simplesmente não está produtiva e basicamente não fez nada de interessante que mereça ser compartilhado. E se tem algo que eu acho pior do que a sensação de espaço em branco é a sensação de tapa buraco. Sabe quando você não tem nada para falar e resolve tagarelar qualquer coisa só para não ficar aquele silêncio constrangedor? Pois é, eu simplesmente detesto isso. Sou da crença que palavras e pensamentos são importantes demais para serem desperdiçados quando não se tem anda de interessante a dizer. A expressão “palavras ao vento”  sempre me remeteu ao tipo de ideia que, quando se fala algo sem necessidade é como se as palavras pairassem no vazio por um breve momento e se dissolvessem em contato com o ar, morrendo no processo.

Passei um tempão de sexta e outro tanto de sábado pensando no que escrever para o blog: uma playlist, a resenha de outro filme, um texto, algo sobre fotografia. Mas assim que começava a digitar as primeiras palavras sobre o dito assunto, não sentia que ele ( independente de qual fosse) seria apropriado para ser o tema do primeiro post de 2015. Então, dados os fatos, acabei decidindo não escrever nada até que algo me empolgasse o suficiente e eu achasse que fosse significativamente relevante para ser compartilhado aqui.

E foi só hoje que a lampada da inspiração ascendeu em cima da minha cabecinha e depois de ficar um tempo “morgando” sem fazer nada ( até porque é pra isso que domingos existem) sentada no chão do quarto, observando a minhas estante de livros enquanto ouvia resenhas no you tube, resolvi que queria escrever um post citando os livros favoritos que marcaram o meu 2014 ~respirem, vai ser comprido~.

Ao todo, eu li 39 no total ( olha o toc batendo porque não gosto de número ímpar) e farei a lista pela ordem de leitura, se o post começar a ficar muito gigantesco eu faço uma continuação da lista no próximo. Enfim,espero que gostem, lá vai:

Leituras começadas no fim de 2013 terminadas no começo de 2014:

O Nome do Vento

Mais sobre o livro: Skoob

Histórias épicas são um dos meus temas favoritos em leituras. Acho lindo os cenários e como cada autor consegue criar uma mitologia única usando elementos do passado e incorporando a isso ao universo no qual a história se passa. Por esse motivo, que estranhei quando logo no começo me peguei não gostando muito de O Nome do Vento. Ele tinha tudo o que eu gosto e queria ler naquele momento: um protagonista inteligente, uma história cheia de magia e  elementos fantásticos etc. Mas ainda sim, não me arrebatou logo no começo. A leitura foi um pouco arrastada e não conseguia me identificar com os personagens, ainda sim, o plot central da história me deu a confiança que eu precisava para seguir firme em mais algumas páginas e não abandonar o livro. A partir do memento em que a história engata e a jornada do personagem começa, você se vê em meio a aventura mais fantástica de todas! O universo cheio de armadilhas e as peripécias do ruivo que toca alaúde chamado Kvothe e  sua busca pelo  temível Chandriano que assassinou seus pais e a trupe com a qual eles viviam é fascinante, e fazem do primeiro livro da trilogia ” As Crônicas do Matador do Rei” um livro mais do que obrigatório no currículo de qualquer leitor.

Northgan Abbey:

Mais sobre o livro: Skoob

Meu segundo livro da Jane Austen e mais um que foi uma surpresa maravilhosa. Engraçado e de fácil leitura, a  Abadia de Northanger conta a história de Catherine, uma jovem que é fascinada por romances góticos e com uma imaginação muito fértil, que  a convite de amigos da família, o Sr e a Sra Allen, vai passar o verão na agitada Bath.

O livro tem uma história simplista a meu ver, mas ainda sim incrível, pois, trata de assuntos corriqueiros de forma bastante bem humorada e faz críticas muito precisas e ao mesmo tempo carregadas de sarcasmo a sociedade da época e até mesmo ao seus livros e costumes. Os personagens são graciosos e carismáticos e mesmo que o final tenha sido bem previsível, isso não afetou em nada a qualidade do livro como um todo. Jane, está entre uma das minhas autoras favoritas e espero ler mais de suas obras futuramente.

Leituras de 2014: 

Confie em mim: 

mais sobre o livro: Skoob

Primeiro livro que li do autor Harlan Coben e foi bastante surpreendente, na verdade dizer que foi surpreendente ainda é pouco, pois, há muito tempo que não lia um livro policial tão bem escrito, com uma história bem amarradinha e cheio de reviravoltas. É um daqueles livros que você começa e não consegue parar até que chegue a última página, tamanha é o envolvimento que você fica com a história. E é um livro que agrada a todos, tanto que minha mãe e eu viramos fãs de carteirinha desse moço. Também recomendo a leitura de Não conte a ninguém e Cilada, do mesmo autor.

Norwegian Wood:

Mais sobre o livro: Skoob

SEN-SA-CIO-NAL! Basicamente é um dos meus livros mais do que favoritos do ano.

Primeiramente, qualquer livro que tenha menção a Beatles ou envolva cultura japonesa já é um livro para me chamar a atenção, some isso a personagens cheios de realidade, um escrita cheia de lirismo, carregada de nostalgia e um tanto melancólica e BAAM, você tem o combo perfeito para ganhar meu coração. Claro, que há exceções, mas Norwegian Wood tem isso e mais um pouco. É um livro delicado, sensível e é certeiro em muitos momentos. Ele te faz pensar na vida e mostra pontos de vista brilhantes sobre coisas extremamente banais mas que tem uma grande importância se você der a devida atenção. E se com tudo isso que eu disse você ainda quer mais um motivo para ler, aqui vai: Haruki Murakami, autor de Norwegian Wood, foi um dos autores que mais teve indicações ao prêmio Nobel. Tá pouco ou quer mais?

Sério, extremamente recomendado.

Fahrenheit 451:

Mais sobre o livro: Skoob

Tá ai um livro que me ensinou que há momento certo para a leitura de certas obras. Tinha ele há séculos na minha estante e já havia me arriscado a começar uma vez e achado bem chatinho para o meu gosto. Resolvi Deixar ele paradinho por mais um tempo até que decidir que 2014 seria o ano que ele teria uma nova chance e não me arrependi. Fahrenheit é  uma das melhores distopias que já li e também um dos livros mais bem escritos que já passaram pelas minhas mãos. É um daqueles livro que te faz pensar fora da caixa e repensar as prioridades. Vale muito a pena e é bem curtinho, dá pra ler em uma tarde.

Battle Royale: 

Mais sobre o livro: Skoob

E por falar em distopias, PAREM TUDO O QUE ESTÃO FAZENDO E VÃO LER ESSE LIVRO!

Battle Royale é simplesmente o melhor! Não tenho palavras para descrever o quanto esse livro te deixa empolgado e doido, a cada capitulo. Muitos comparam ele a Jogos Vorazes e a própria Suzanne Collins já foi acusada de ter plágiado esse livro e usado elementos dele na sua obra, mas, embora existam sim muitos pontos semelhantes, acho que não seja o caso.

Enquanto Jogos vorazes é mais focado nas questões politicas, Battle Royale foca mais nas pessoas e em como o ser humano reage quando colocado em situações extremas e que exijam medidas cruéis para que a sobrevivência seja possível. Outro ponto a favor é que esse livro mostra o pior e o melhor dos personagens através da alternância de seus pontos de vista, o que dá uma visão mais abrangente da situação em que eles se encontram e o motivo de terem tomados tais decisões dentro do jogo.

É um livro grande, mas a leitura é tão rápida e acontece tanta coisa que quando você menos percebe, já alcançou as ultimas  páginas.

Jogador N 1: 

Mais sobre o livro: Skoob

Outra distopia futurística que vale muito a pena. Particularmente surtei demais com a leitura, tanto que em alguns capitulos que chegava a pular da cadeira em indignação ou euforia com o rumo que a narrativa tomava. O livro é lotado de referências a cultura pop dos ano 80 e 90, além de ter como temática principal video games e a realidade virtual que foram um combo mágico para mim. Embora os personagens não tenham me cativado tanto em certo ponto da história porque eu detesto romance forçado e desnecessário mas  o plot central do livro faz tudo valer a pena. É tanta coisa legal acontecendo que o resto fica em segundo plano e você nem dá tanta bola pro casal chato.

Eleanor and Park: 

Mais sobre o livro: Skoob

Não gostar de romance desnecessário não significa que eu abomine todo e qualquer  tipo de romance do universo. Eu simplesmente não gosto de casais feitos a partir de abiogênese, e que o interesse amoroso claramente surge com o único propósito de personagem principal não poder ficar sozinho, mesmo que o par dele não tenha nada a ver e eles não possuam a miníma ( ou nenhuma) química. O que definitivamente não é o caso em Eleanor and Park.

O livro é fofo e tem uma dinâmica tão lindinha que te conquista. O casal principal funciona super bem e não tem como não se apaixonar por eles e com eles a medida que a história vai avançando. Ouvi muita gente reclamando sobre o final do livro, mas como não quero dar spoiler, apenas falarei que mesmo o final não sendo definitivo eu gosto de histórias com finais que dão margem a várias interpretações, com possibilidades em aberto. Claro, desde que seja  coerente e se encaixe dentro do enredo trabalhado.

E não sobrou nenhum:

Mais sobre o livro: Skoob

Não sei quantas vezes e quantas pessoas já me recomendaram esse livro, minha mãe foi uma delas, e isso desde que eu estava na 7 série. Então, sempre tive vontade de ler mas foi muito difícil de achar pelo simples motivo, o qual eu descobri muito tempo depois, que ele tinha sido reeditado e por causa de uma polêmica antiga o título havia sido substituído de O caso dos dez negrinho para E não sobrou nenhum. Mas como sempre dizem, antes tarde do que nunca, e eu finalmente consegui botar minhas mãozinhas nessa beleza e QUE LIVRO, minha gente, que livro!!

Fiquei tão fissurada por ele que cheguei ao ponto de sonhar com o livro. Madruguei para terminar de ler ele antes que minha curiosidade me deixasse doida. Já ouvi muitas pessoas falando que esse é a obra prima da Ágatha e tenho que concordar, esse livro é brilhante!

Aviso a quem for ler: Não bisbilhote a ultima página se não quiserem spoiler do final do livro! Eu avisei.

Noite na Taverna:

Mais sobre o livro: Skoob

Confesso que quanto as ditas “leituras obrigatórias” , as quais todos parecem ter certo preconceito, nunca me incomodaram. Sempre dei a sorte ( com exceção de Dom Quixote) de gostar e amar todas os livros que precisei ler na época da escola e muitos deles são meus favoritos até hoje. É caso de Dom Casmurro e também, agora, de Noite na Taverna do autor Álvares de Azevedo.

Um livro que é a frente do seu tempo ao tratar de temas bastante polêmicos como: incesto, assassinato, traição, canibalismo etc. Sem perder o lírismo ( sério, não sei como ele conseguiu essa façanha) e de uma forma bastante ascensível, Álvares, torna fácil a leitura deste livro e é quase impossível para de ler ao termino de um conto sem querer ler o próximo imediatamente.

Minha dica: Não tenham preconceito com obras obrigatórias, algumas são excelentes mas vale bastante o esforço e dedicação para lê-las.

O Exorcista:

Mais sobre o livro: Skoob 

Um dos clássicos do terror que tem toda a pompa e circunstância para ser chamado como tal. É um livro excelente, com uma escrita muito bem feita e cenas cheias de tensão que te deixam com um arrepio atrás da orelha. Eu li, minha irmã leu e nossas opiniões foram as mesmas: Incrível, demais! Recomendo principalmente, aos fãs de um bom terror.

The Mortal Instruments (série):

Mais sobre o livro: Skoob 

Eu já havia lido a trilogia Inferna Devices, que é uma prequel de The Mortal Instruments, e ela era uma das minhas favoritas até o momento que me decepcionei tanto com o rumo que algumas  coisas tomaram no ultimo livro que isso me deixou bastante receosa em começar a leitura da série que a deu origem. Porém, após a insistência da minha irmã, que é super fã da série, eu acabei cedendo e não me arrependi. A série, mesmo não atingindo o topo das minhas mais que favoritas da vida, me proporcionou inúmeros momentos de riso, apreensão, medo e todas as sensações que só uma série que te prende consegue fazer. Adorei os personagens e apesar daquele velhooo problema que tenho com casais principais, eu me surpreendi bastante e nem o romance me incomodou tanto quando eu havia pensado.

Resultado final: Gostei e já espero pela próxima etapa da série.

Era isso, desculpem a enormidade desse post e a demora para publica-lo, tentei resumir o máximo que pude mas ainda sim…

Espero que tenham gostado.

Um beijo da Garota da Vitrine e até a próxima.

Mr Nobody – Resenha

Estou completamente perdida com esses feriados de fim de ano e juro que achei que ontem era sábado, o que fazia de hoje (tecnicamente domingo) dia de post. Mas ok, sem pânico,  temos post novinho saindo do forno ( com atraso, mas ainda sim saindo). Hoje venho falar sobre um filme incrível que assisti no feriado, não me perguntem qual dia, pois, desde que descobri que ontem era domingo e não sábado e que desde quinta (natal) eu estive, na verdade, vagando pelo espaço tempo continuo sem nenhuma referência de dia da semana (foi coisa da Matrix, tenho certeza) que o feriado acabou se tornando uma coisa  só. Mas o importante, é que assisti a esse filme maravilhoso chamado Mr Nobody  e ele é uma coisa fantástica. A primeira vez que havia ouvido falar dele foi quando estava ouvindo esta musica do Bryan John Appley e me deparei com esse video:

No incio, achei que era um clipe porque as imagens captavam tão bem a atmosfera da música que era quase impossível que não tivessem sido feitos um para o outro, mas depois, lendo a descrição do vídeo, acabei descobrindo que se tratava de um filme o qual Jared Leto havia atuado.  Como admiro muito o Leto, não só por suas músicas mas também por acha-lo um ator espetacular, mais que imediatamente me pus a procurar mais sobre o filme e só encontrei opiniões boas sobre ele. Então, quando a oporturidade e o tempo surgiram, não havia mais desculpas para não ir assistir.

Logo nos primeiros minutos, apesar de ter visto muitas aclamações, eu o achei confuso e um ponto de interrogação gigante apareceu no meio da minha testa. Não estava sentindo boas vibrações, a história estava sem pé nem cabeça  e quase fiquei indignada  por ter sido praticamente induzida a esperar tanto de um filme que na verdade era uma grande porcaria. Porém, mesmo com todos  os sinais me dizendo para parar ali mesmo e que eu não aguentaria duas horas daquela doideira, eu persisti. E  não me arrependo nenhum pouco.

A medida que o filme avança, e não demora tanto assim, você entende o caminho que ele vai seguir, ou pelo menos a ideia geral de que ele quer nos passar, e toda a sua confusão se torna simples e incrivelmente clara com apenas uma frase de uma cena:

“Enquanto você não escolhe, tudo se torna possível”

A partir  deste momento é que entendemos sobre o que se trata  Mr Nobody: Escolhas. É um filme sobre possibilidades, sobre o que foi ou poderia ter sido e sobre o que não foi mas ainda sim poderia ter sido. Vemos como cada decisão conduz o personagem a um destino diferente e também vemos como cada um desses destinos teria sido caso ele tomasse o caminho oposto. E eu, particularmente, adoro esses filmes que mexem com linhas dos tempo e mostram o outro lado de uma mesma moeda   ao mesmo tempo que nos fazem questionar os “e se” da vida.

E embora  tenha ficado um tempão nessa linha, pensando em como organizar as palavras e as ideias, acho que eu não consigo fazer uma sinopse digna ou mesmo um resumo descente, tamanha a genialidade que é o roteiro desse filme. Então deixo apenas minhas impressões sobre essa obra de arte fantasticamente confusa e emaranhada que é Mr Nobody. Um filme com efeitos lindos, uma abordagem delicada e com atuações incríveis que trata sobre um tema que é comum a todos nós: nossos destinos e como o construímos.

Espero que tenham gostado desse resenha-não-resenha. Já conheciam o filme? O que acharam? deixem suas opiniões sobre o ele, eu adoraria lê-las.

Um beijão da garota da vitrine